PRINCIPAIS
ATENDIMENTOS

A coluna vertebral é o eixo de sustentação do esqueleto humano e o eixo de comunicação entre o sistema nervoso central e o periférico. Ela é formada por 33 vértebras, divididas em 7 cervicais, 12 torácicas, 5 lombares, 5 sacrais e 3-4 coccígeas, além dos discos, medula, 31 pares de nervos, ligamentos e músculos.

ENTENDA A
SUA COLUNA
AS FUNÇÕES
DA COLUNA

Não sofra com as consequência da

falta de cuidado com a coluna vertebral!

SUSTENTAÇÃO DO ESQUELETO

SENSIBILIDADE E FORÇA MUSCULAR

ABSORÇÃO

DE IMPACTO

MOBILIDADE DO TRONCO

Entrevista Aqui na Band
DOR NO NERVO CIÁTICO
HÉRNIA
DE DISCO

A palavra hérnia significa saída total ou parcial de um órgão ou estrutura de seu local de origem. A coluna é composta, entre outras estruturas, por diversos discos, que contém gel em seu interior.  Com o tempo, eles se desgastam/ desidratam, formando a hérnia de disco, que pressiona os nervos da coluna e causa dores. O local em que as hérnias de disco aparecem com maior frequência é a coluna lombar baixa.


A dor da hérnia de disco lombar pode irradiar para os membros inferiores (coxa, perna e pé); esta irradiação pode ser a ciatalgia, ou dor ciática. Quando a hérnia é cervical (pescoço), as dores podem irradiar para os membros superiores (braço/antebraço)


Ambas hérnias de disco, cervical e lombar, podem causar sensações como formigamento e/ou dormência nos braços, pernas, mãos, pés.

A outra localização é na coluna torácica mas esta é muito rara e pode levar a dores nas costas, irradiando para costelas.

TRATAMENTO

O tratamento para hérnia de disco a princípio é não cirúrgico. Consiste no uso de medicamentos, fisioterapia, hidroterapia, Acupuntura, entre outros. A cirurgia seria recomendada se a pessoa não melhorasse com as intervenções iniciais ou, então, apresentasse um quadro de alterações neurológicas “importantes”, como diminuição da força muscular.

ESTREITAMENTO DO
CANAL VERTEBRAL

Também chamada de estenose, a doença corresponde à diminuição do espaço dentro do canal vertebral, local onde se localiza a medula e suas raízes (nervos da coluna). Assim como a hérnia, ela ocorre em diferentes regiões da coluna, sendo mais comum na lombar.


Entre os sintomas, podemos citar dor cervical e lombar que irradia para outras partes do corpo (membros superiores e inferiores, como na hérnia discal), além de diminuição ou alteração da sensibilidade e força muscular. Há também um sintoma típico da estenose lombar chamado claudicação neurogênica. Comumente confundido com problemas de circulação, ele se expressa na dificuldade/cansaço em caminhar associada ou não a dores e formigamentos nos membros inferiores.

TRATAMENTO

O tratamento clínico tem a mesma base do que se é realizado para hérnia de disco. Quando não há melhora ou se houver alterações neurológicas indica-se a cirurgia; a descompressão deste canal associada ou não a outras técnicas seria então realizada.

ESCOLIOSE

A escoliose é a curvatura lateral na coluna, ou seja, o indivíduo “vai entortando” para um dos lados. É comum observamos nas pessoas portadoras de escoliose um ombro mais alto que o outro, um lado da bacia mais alto que o outro ou o espaço entre o braço e o tronco maior em um dos lados.


A escoliose mais comum é a idiopática (causa desconhecida), que ocorre com maior frequência em meninas próximas da puberdade. À medida que esta adolescente cresce, a escoliose se agrava, podendo se tornar uma deformidade acentuada.

TRATAMENTO

O uso de colete e a cirurgia são os dois principais tratamentos da escoliose. A escolha da cirurgia se baseia em parâmetros como o grau de curvatura e o potencial crescimento do paciente. Na cirurgia, para evitar a piora da deformidade e também corrigí-la, se utilizam parafusos, ganchos, hastes e enxerto ósseo. Durante o procedimento fazemos a monitorização neurofisiológica, para evitar a lesão da medula.

CIFOSE

Chamamos de cifose as curvas nas colunas torácica e sacral, sendo que a torácica, em média, varia de 20º a 40º. É a curvatura normal destas duas regiões da coluna vertebral quando vista de perfil. Ao dizer “eu tenho cifose”, na realidade, o que o paciente está tentando descrever é o aumento desta cifose (torácica), também chamada de dorso curvo. Também é comum escutar que se está “encurvado” ou “corcunda”.

TRATAMENTO

A cifose aumentada pode ser tratada com  terapias físicas como, fisioterapia ou RPG e, em alguns casos, com correção cirúrgica. Esta indicação, porém, é mais rara se comparada à escoliose. Na cirurgia, quando indicada, utilizamos o mesmo material descrito no tratamento da escoliose.

TUMORES
NA COLUNA

A coluna, como qualquer outra região do corpo, pode ser acometida por tumores. 

O hemangioma é um dos mais comuns na coluna. Geralmente são assintomáticos e não requerem tratamento específico. O tumor maligno(“câncer”) mais frequente, por sua vez, é a metástase, isto é, um tumor cuja origem não se dá na coluna (tumor primário). Normalmente, o ortopedista especialista em coluna acaba por identificar primeiro a metástase, sendo necessário, então, investigar a lesão inicial.

 

Para crianças e adolescentes, dores noturnas na coluna podem ser, entre outras hipóteses, um sinal da presença do tumor benigno conhecido como osteoma osteóide. Entretanto, nem sempre os tumores causam dor; em boa parte dos casos, eles são encontrados na realização de exames, como a ressonância magnética (achados).

TRATAMENTO

Para tumores (na coluna), o tratamento é individualizado e depende do estadiamento da doença e das condições clínicas do paciente.

LORDOSE

A lordose, assim como a cifose, é uma das curvaturas normais da coluna vertebral vista de perfil. Temos esta curva fisiológica nas colunas cervical e lombar. O que pode ocorrer é o aumento desta, chamada de hiperlordose. Ao ouvir alguém dizer “minha lombar está funda”, agora, você sabe: na verdade, sua curvatura pode estar aumentada.

TRATAMENTO

A hiperlordose em geral não causa dores mas pode eventualmente causar um certo desconforto mas raramente necessita de correção cirúrgica. É importante, porém, investigar quais alterações estão ligadas a este problema, como, por exemplo, o escorregamento vertebral (espondilolistese).

OBESIDADE

OUTRAS CAUSAS
DE DORES NA COLUNA

As dores na coluna são ocasionadas tanto por problemas da própria coluna quanto por outras doenças e situações externas. São alguns exemplos:

ALTERAÇÕES POSTURAIS

SEDENTARISMO

ARTROSE

ATIVIDADES FÍSICAS SEM ORIENTAÇÃO

TUMORES

"PEDRA" NA
VESÍC
ULA

"PEDRA" 

NO RIM

ANEURISMA

DA AORTA

Algumas dores de coluna podem melhorar com medicamentos mas alguns sinais podem indicar problemas maiores. Fique atento caso a dor persista por mais de duas semanas, seja muito intensa, ocorra no período noturno ou esteja associada à perda de força muscular, diminuição de peso, dormência ou formigamento.


Para evitar o aparecimento dessas dores, pratique atividades físicas, mantenha o peso ideal, de acordo com o seu IMC, e aplique a ergonomia no seu dia a dia. A maneira como você se senta no trabalho, a posição do teclado ou até mesmo o modo como você abaixa para pegar uma caixa no seu local de trabalho são detalhes relacionados à ergonomia, ciência que, ao otimizar a realização de atividades, não só previne acidentes e doenças, como também promove conforto e bem-estar.

Em caso de dúvidas, desconfortos ou dores, não hesite.

Procure um médico ortopedista especializado em coluna!

Sociedade Brasileira de Coluna: portalsbc.org.

Whatsapp_logo.png

© 2018 por DR. ALEXANDRE PODGAETI.  Criado por INTERAGE.